O Dourado é uma das espécies encontradas na região
Foto: Capitão Hook
O Dourado habita as águas panamenhas
O Golfo de Chiriqui tem mar calmo e muitas espécies de peixe
Foto: Divulgação
A expedição acontece nas águas do Golfo de Chiriqui
Os peixes impressionam pelo tamanho e peso
Foto: Capitão Hook
Os peixes impressionam pelo tamanho
O atum é uma das espécies que habitam o mar da região
Foto: Capitão Hook
O atum é a espécie que pode pesar entre 20 e 200 kg
Compartilhe

O Reino dos peixes gigantes

Quinta, 26 Maio 2011 10:53
Odeir de Souza | Especial para o Caravana

O Panamá, com seu mar calmo e habitado por grandes peixes oceânicos, torna-se uma instigante rota para brasileiros amantes da pesca esportiva


O Panamá, região de mar calmo durante boa parte do ano e habitado por grandes e esportivos peixes oceânicos, tem atraído pescadores de vários países do mundo, principalmente do Brasil. Isso se dá devido à baixa cotação do dólar e da ânsia dos praticantes da modalidade em buscar superar recordes pessoais. Detalhe: o país é detentor de vários recordes mundiais da International Game Fish Association (IGFA).

"Já tive a oportunidade de pescar em vários países do mundo e nos melhores points do Brasil, mas nunca tinha experimentado uma grande variedade de espécies com média de tamanho enorme", disse Walter Oliveira, proprietário da "Capitão Hook", empresa que opera pacotes para o destino.

A pescaria é feita no Golfo de Chiriqui, onde existem várias ilhas, tendo como as mais piscosas as ilhas Secas, Coiba, Montuosa, Jicaron e o banco Hannibal. A hospedagem acontece em Boca Chica, região norte do Panamá.

A saída para a pescaria acontece bem cedo, às 5h30, quando a tripulação sai na busca por iscas vivas com sabiki. Só depois disso é que a embarcação parte rumo ao banco Hannibal, distante cerca de 45 milhas do destino inicial, em busca dos grandes cardumes de atuns.

"A pescaria é feita toda no visual, observando pássaros e golfinhos caçando, pois geralmente os grandes atuns também estão abaixo, aproveitando do banquete", ressalta Walter.

Quando o grupo visualiza movimentação na água, a lancha é posicionada à frente do cardume e os pescadores arremessam grandes iscas, conseguindo fisgar atuns de 20 kg a 200 kg.

Para tal pescaria, o equipamento tem de ser sofisticados, de última geração, como varas e molinetes leves e super resistentes até para não cansar o pescador com os vários arremessos e possa segurar a corrida dos "gigantes da água".

A equipe é unânime em afirmar que o atum gigante é um dos peixes mais rápidos e fortes dos mares. "Para segurar um atum de 50 kg, a pessoa tem que estar preparada fisicamente e saber que a luta durará cerca de uma hora, pois o peixe briga forte do início ao fim", afirma Janaina, que também participara da aventura pelas águas panamenhas.

Na pescaria de atuns também podem aparecer o marlim-negro e o espadim-azul, que ultrapassam os 500 kg de peso.

Vale lembrar que próximos às ilhas oceânicas são encontrados também cardumes de caranhas, xaréus, roosterfishes, cavalas, olhos-de-boi, dourados, entre outros peixes. Nesses locais, a pescaria pode ser feita de corrico, arremesso, vertical jig e com isca natural.

Você sabia...

O Hannibal Banco é chamado assim devido sua descoberta ter sido feita pela equipe do navio USS Hannibal, da Marinha dos EUA, durante as sondagens e inquéritos de profundidade em preparação para a abertura do Canal do Panamá em 1914.

O banco se situa na borda da plataforma continental do Pacífico, onde é formado por uma cadeia de montanhas submersas em alguns pontos apresentação uma elevação de mais de três mil metros de profundidade a 50 metros da superfície. Estes grupos de ilhas submarinas obstruem as correntes, que faz com que o oxigênio e nutrientes sejam empurrados para a superfície. Enormes quantidades de nutrientes atraem pequenos peixes e consequentemente os peixes maiores.

Seguindo um pouco mais, a dez milhas de distância do banco Hannibal encontra-se a Ilha Montuosa, que possui uma queda profunda, de mais de três mil metros de profundidade. Lá se apresentam muitas estruturas de rocha ao redor da ilha, onde é praticamente garantida a captura do marlim-negro, do veleiro e do pargo.

As ilhas Ladrones, Secas e Parida são ótimas para a pesca costeira de roosterfish, pargo, wahoo, peixe-rei, cavala, xaréu, entre outros.

Para aqueles que desejam se aventurar por essas águas, a Capitão Hook Pesca Esportiva ((48) 9982-4057, 7811-0136) é a opção.

Leia também
  • Notícias Mão na corda

    Turismo sem limites

    No Dia Nacional da Pessoa com Deficiência em Parques e Atrações Turísticas, a Embratur lança programa de incentivo ao turismo de aventura adaptado, numa ação inédita no país

Comentários

Comente

Comente como convidado.

Cancelar Enviando comentário...
x