surf com remo
Foto: Projeto Água Limpa
A atividade ganha a cada dia mais adeptos
pranchas de surf sup
Foto: Arquivo pessoal
A prática do SUP requer pranchas mais "encorpadas"
SUP surf com remo
Foto: Coda
No SUP, o praticante encara também pequenas marolas
Compartilhe

"SUP" cai no gosto dos brasileiros

Segunda, 21 Março 2011 15:20
Eduardo Bernardino | Do Caravana

A atividade, nascida no Havaí dos anos 40, requer apenas uma prancha um pouco maior que a do surfe tradicional, um remo, e muita disposição

O que você acha de surfar de pé, utilizando remo? Pode parecer estranho à primeira vista, mas este é o “Stand Up Paddle”. O Caravana esteve neste último final de semana em Ubatuba, no litoral norte de São Paulo, e constatou que lá está surgindo vários praticantes da modalidade.

O SUP, como é chamado pelos praticantes, surgiu no Havaí dos anos 40, na praia de Waikiki, onde beachboys (professores de surfe da região) usavam pranchas de madeira naval e grandes remos para acompanhar os alunos de perto nas ondas e também poder fotografá-los. Esse costume ficou sumido por algum tempo, mas retornou em forma de esporte e está conquistando cada vez mais adeptos no Brasil.

A atividade oferece uma ótima oportunidade de exercício físico, promovendo o aumento do equilíbrio, força e resistência. Isso tudo graças ao trabalho muscular isométrico que o SUP oferece.

Contudo, como pude observar, o Stand Up Paddle não é praticado com o objetivo principal de aumentar a performance de atletas, mas também como atividade recreativa com amigos ou família, já que pode ser desenvolvido por pessoas de qualquer idade (a partir dos 4 anos).

Percebe-se isso quando se vê Jhon Zapotocky, o eterno beachboy e lenda viva com 70 anos de SUP e 91 anos de idade, praticando ainda a atividade. “Mesmo que você nunca tenha subido em uma prancha, depois de uma hora de treino e alguns tombos, você já vai conseguir sair remando e se divertindo”, diz Luiz Claudio Graglia, conhecido como Huka, triatleta e treinador que conheceu o esporte no Havaí e hoje pratica e indica a modalidade para melhorar o desempenho físico de seus alunos.

O Sup oferece duas vertentes principais: a prática em ondas e a realização de travessias, ou seja, pode ser praticado tanto no mar quando em rios, lagos ou represas. “De SUP você chega a lugares que você não conseguiria ir a pé e ali, parado, de pé na prancha, você consegue contemplar o local com muito mais calma”, ressalta Huka.

O esporte, no entanto, não é ainda uma atividade que possa ser considerada barata, pois uma prancha para a pratica da modalidade custa, em média, R$ 2800,00. Já o remo tem um custo entre R$ 100,00 a R$ 800,00, dependendo do material usado em sua fabricação.

A tendência é a prática se popularize cada vez mais, já que em breve devem ser encontradas pranchas usadas no mercado e também pelo fato de alguns “shapers” já estarem dando os primeiros passos na fabricação dos equipamentos, como é o caso de Fábio Chati, experiente profissional de 41 anos e que está concentrado no desenvolvimento deste material.

A atividade já apresenta atletas profissionais que descem corredeiras de nível II e III em suas pranchas de SUP. Isso só reforça o que eu penso: O Stand Up Paddle, ou Sup, como queiram, chegou pra ficar. Até pranchas infláveis existem e são opção para os praticantes.

Resta agora aguardar e descobrir até onde os praticantes e este novo nicho do mercado de esportes aquáticos levarão a modalidade. Enquanto isso, eu já aceitei o convite de Huka e estarei de volta em breve ao litoral norte de São Paulo para dar as minhas primeiras remadas.

Leia também
  • Notícias Mão na corda

    Turismo sem limites

    No Dia Nacional da Pessoa com Deficiência em Parques e Atrações Turísticas, a Embratur lança programa de incentivo ao turismo de aventura adaptado, numa ação inédita no país

Comentários

  • leila Woiski
    leila Woiski
    21 Março 2011 at 15:50 |

    delícia! poder ficar de pé na prancha e ter mãos pra fotografar, filmar, observar... bárbaro

Comente

Comente como convidado.

Cancelar Enviando comentário...
x