Circuito Vale Europeu / Renata Pozza
Foto: Renata Pozza
Circuito Vale Europeu oferece belas paisagens
Circuito Vale Europeu / Renata Pozza
Foto: Renata Pozza
Trajeto de cerca de 300 km é muito bem sinalizado
Circuito Vale Europeu / Renata Pozza
Foto: Renata Pozza
É preciso folego para encarar o Vale Europeu
Circuito Vale Europeu / Renata Pozza
Foto: Renata Pozza
Cachoeiras são atração à parte durante o trajeto
Circuito Vale Europeu / Renata Pozza
Foto: Renata Pozza
Pai e filha: Cicloturismo está no DNA da família
Circuito Vale Europeu / Renata Pozza
Foto: Renata Pozza
A pequena Apiúna tem corredeiras para o rafting
Circuito Vale Europeu / Renata Pozza
Foto: Renata Pozza
O casal curtiu junto a aventura pelo Vale Europeu
Compartilhe

Aventura sobre duas rodas no sul do país

Sexta, 10 Janeiro 2014 10:46
Fábio Salgueiro | Do Caravana

Circuito Vale Europeu oferece 300 km de belezas naturais para os amantes do cicloturismo e da vida ao ar livre


No Brasil, mais precisamente no sul do país, existe o Circuito Vale Europeu, que é voltado para os amantes da bike e da vida ao ar livre.

É um roteiro planejado para quem curte o cicloturismo, pois oferece um trajeto sobre duas rodas de cerca de 300 km, caso seja cumprido por inteiro, saindo e chegando na pequena e receptiva cidade de Timbó-SC, distante cerca de 30 km de Blumenau.

Mas calma lá. Não basta apenas ser amante da bike para cumprir o circuito. É preciso estar com o folego em dia, já que o trajeto apresenta terreno acidentado que exige muito do ciclista.

“As trilhas não são para iniciantes. São bem sinalizadas e amplas, mas as subidas exigem preparo físico, afinal são sete dias seguidos de pedalada, caso a pessoa cumpra o percurso completo”, alerta Renata Pozza, profissional de turismo e adepta à vida sobre duas rodas.

Esporte de Aventura: Descubra o ciloturismo!

O Vale Europeu une o verde da Mata Atlântica e a água, numa mistura que oferece paisagens deslumbrantes. É um roteiro que coloca o turista em contato direto com a fauna e a flora.

O circuito pode ser dividido em parte alta e baixa. Em ambas a natureza está presente. Lagos, riachos e cachoeiras também completam o cenário, que é belíssimo.

A parte baixa apresenta rios no caminho de Timbó a Rodeio. Possui subidas e descidas, num percurso de estrada de terra. Aos mais urbanos, um recado: esqueçam o asfalto, por favor! O Vale foi realmente pensado para que o ciclista tenha como caminho estradinhas de terra tranquilas, num cenário deslumbrante.

“O caminho é bucólico, inclui riachos, cachoeiras, casinhas de madeira com jardins floridos, pequenas fazendas, pontes e muito verde”, ressalta Renata, que cumpriu parte do circuito ao lado do marido, o jornalista Napoleão de Almeida e do pai, Valdecyr Pozza, um amante também do cicloturismo.

A parte alta do circuito exige esforço, pois impõe ao ciclista uma subida rumo à serra, em direção às represas, que se localizam a cerca de 700 m de altitude. Trata-se de uma região mais isolada, por isso é importante para a segurança do cicloturista que se cumpra o caminho acompanhado de mais uma pessoa.

Nesta parte, as belezas naturais voltam a impressionar. A Mata Atlântica se faz presente ainda mais bela e intocada. As araucárias dão imponência à região, assim como a água, o que torna o local como uma das maiores concentrações de nascentes do país, com cachoeiras, rios e riachos. Acreditem: vale a pena todo o esforço da subida.

O circuito apresenta também fortes traços europeus, sobretudo da imigração alemã, seguida da italiana. Não à toa leva o nome de “Vale Europeu”.

É possível notar traços da cultura europeia na arquitetura, gastronomia, música e no esporte local. “As pessoas são também muito acolhedoras e dispostas a ajudar”, ressalta Renata, que aproveita para dar boas dicas sobre gastronomia, esporte de aventura e agências de turismo para quem pretender cumprir o roteiro.

Gastronomia

“A minha dica é não deixar de jantar no Vale das Trutas na cidade de Rodeio. É difícil acreditar que em uma cidade tão pequena se encontre um restaurante tão gostoso e agradável.

Vale destacar também o vinho da região. O San Michele surpreende. E tem ainda os restaurantes alemães, onde você pode saborear pratos típicos como um bom Eisbein e uma saborosa Hackerpeter.

Neste caso, indico o Wunderwald, em Pomerode. Estivemos lá e aprovamos!”

Rafting

“Fazer rafting na cidade de Apiúna também vale muito a pena. A Ativa Rafting nos ofereceu o serviço e apresenta muitos outros esportes de aventura.”

Cachoeira e Pousada

“Um desvio alternativo é o caminho até a Cachoeira do Zinco. São 8 km de subida até chegar ao local, mas o esforço é recompensado com a bela cachoeira do Zinco.

Quem tiver tempo pode optar por dormir no alto da montanha. A Pousada Campo do Zinco é maravilhosa e toda voltada para a sustentabilidade.”

Agências de turismo

"Tem agências de turismo locais que podem dar suporte com carro de apoio 24 horas ou apenas para levar as malas de uma cidade para outra. A SOS Expedições nos deu a assistência necessária."

Dicas do Caravana

Planejamento

Planeje com inteligência sua aventura ao Circuito Vale Europeu. Se tiver tempo e fôlego, faça-o por completo. Se tiver apenas um final de semana, então cumpra apenas um trecho. Seja prudente e cumpra de acordo com suas limitações.

Bagagem

Importante saber acomodar e levar apenas o necessário. Para uma aventura assim, não deixe que sua bagagem ultrapasse os dez quilos.

Leve peças básicas como bermuda e calça ciclista e pares de meia de pedalar. No entanto, depende do percurso que será feito. Neste caso, siga o planejamento inicial da aventura, mas de olho também no limite de peso da bagagem.

Alimentação

Não pedale sem água e alimentos. Dica importante é fazer uma alimentação leva durante o dia, com lanches, frutas secas, castanhas e barrinhas de cereais, e deixar para se alimentar bem à noite.

Segurança

Kit de ferramenta para a bike é essencial, pois problemas com a magrela podem acontecer. Caso a bicicleta precise de peças específicas de reposição é preciso levar, tudo para amenizar possíveis perrengues durante a travessia sobre duas rodas.

O kit de primeiros socorros também é essencial.

Boa aventura!

Leia também
  • Artigos De olho na terra

    Fotografem muito!

    No último Dia Mundial da Fotografia, o repórter fotográfico Eduardo Bernardino falou sobre a maravilha que é o ato de fotografar e deu dicas importantes para os amantes de uma boa foto

Comentários

  • marely
    marely
    10 Janeiro 2014 at 20:10 |

    Fiquei com vontade de conhecer e fazer o circuito!
    Muito boa a matéria.

Comente

Comente como convidado.

Cancelar Enviando comentário...
x