Cartilha do ciclista
Foto: Transp. Ativo
Andar com a bike pela calçada é proibido
Cartilha do ciclista
Foto: Ilustração
É desaconselhável pedalar próximo ao meio-fio
Cartilha do ciclista
Foto: Ilustração
Ciclista tem de pedaladar no centro da faixa à direita
Cartilha do ciclista
Foto: Ilustração
Placa do CTB informa distância entre carro x bike
Cartilha do ciclista
Foto: Divulgação
As bikes dobráveis ocupam um pequeno espaço
Cartilha do ciclista
Foto: Transp. Ativo
Na foto, a maneira correta de andar com a bike na calçada
Compartilhe

Cartilha do ciclista

Segunda, 29 Agosto 2011 16:35
Eduardo Bernardino | Do Caravana

Articulista do Caravana aborda um tema que está na moda: o uso das bicicletas nas grandes cidades. Leia o artigo e atente-se aos direitos e deveres do bom ciclista

O trânsito é um grande problema para àqueles que precisam se locomover, principalmente nas grandes cidades. Boa parte dos problemas do trânsito acontece por motivos simples, como o fato de boa parte das empresas exigirem que os funcionários entrem e saiam na mesma hora, a falta de oportunidade de se trabalhar em casa (já que muita coisa pode ser feita via internet, inclusive reuniões), a precariedade do transporte público e a falta, para não dizer ausência, de incentivos reais para o uso da bicicleta como meio de transporte diário.

Muito se tem falado a respeito do uso das “magrelas” no dia a dia, porém o apoio para que isso torne-se uma realidade vem apenas dos clubes organizados por ciclistas, ONGs e pessoas descontentes com a situação caótica do trânsito.

A bicicleta, sem dúvida, é um meio de transporte fabuloso. Existem opções para todos os bolsos, quase não se gasta com manutenção, não polui, não faz barulho, ocupa muito pouco espaço nas ruas, raramente fere alguém gravemente, faz bem pra saúde e, na maioria das vezes, é mais rápido se deslocar pedalando do que de carro ou de ônibus.

Se você tem vontade de abandonar de vez o carro e entrar na onda do ciclismo não deixe de escolher muito bem a sua “companheira”. Há bicicletas pra todos os gostos e bolsos, sim, mas é preciso também pensar no modelo que vai atender às suas necessidades.

O mais indicado é ir a uma loja especializada e conversar com o vendedor sobre o que pretende com a bike e quanto deseja gastar. O profissional poderá indicar um quadro de tamanho adequado à sua altura (sim, bicicleta também tem tamanho pra escolher), e isso vai lhe garantir conforto e evitar que o esforço o faça desistir nas primeiras pedaladas. E não deixe também de dar uma voltinha pra sentir melhor o equipamento antes de fechar negócio.

Direitos e deveres

Pedalar no trânsito, aturando toda a falta de educação dos motoristas estressados, não é como pedalar no parque, porém não se trata também de uma loucura, como muita gente pensa. Para sair por ai desbravando as ruas da cidade a bordo da sua bicicleta são necessários alguns cuidados, que vão garantir o máximo da sua segurança.

Os principais são:

- Pedale sempre de forma previsível. Ande sempre na direita (use a esquerda apenas quando for entrar em alguma rua deste lado) e use o braço para sinalizar conversões ou, em alguns casos, até para indicar que sua intenção é seguir em frente.

Essa dica, no entanto, vale uma consideração: há uma discussão sobre andar bem no canto da pista ou mais para o meio dela. Eu, particularmente, acredito que andar mais pelo meio seja o mais certo e seguro. Ao andar muito rente ao meio fio, o motorista vai tentar ultrapassar o ciclista passando muito perto dele (entre a bike e o carro da faixa ao lado), espremendo a bicicleta contra a guia, o que pode causar um acidente grave.

Já ao pedalar mais pro meio da faixa, os carros serão obrigados a usar a outra faixa para ultrapassar, dando a distância segura necessária à ultrapassagem.

- Nunca ande pela contramão. A falsa sensação de segurança quando se pedala no sentido contrário aos carros vem da possibilidade de ver os veículos que trafegam em sua direção. Contudo, motoristas em esquinas e saídas de garagens e os pedestres durante travessias, esperam veículos apenas em um sentido, o que pode causar um acidente. E ao colidir de frente, as velocidades da bicicleta e do carro são somadas, aumentando muito a chance de um acidente grave.

- Para pedalar à noite, coloque luzes na bicicleta (vermelha na traseira e branca na frente) e use roupas claras (de preferência, com faixas reflexivas).

- Usar o bom senso e ser educado é essencial em qualquer situação e pedalando não é diferente. Calçada é para pedestres. Se precisar sair da rua, desça da bicicleta e vá empurrando (na faixa para travessia de pedestre também). Respeitar os semáforos vai garantir a segurança do ciclista.

- Luvas e capacetes são equipamentos de segurança. Em caso de acidente estes acessórios vão te proteger, além do que um ciclista com capacete chama mais a atenção dos motoristas.

- Procure transitar por ruas mais tranquilas, evitando ao máximo as vias de trânsito rápido. Você não precisa usar os mesmos trajetos de tráfegos intensos, cheios de ônibus, por exemplo, que costumava usar quando dirige. Desta forma, a viagem vai ficar mais agradável e segura.

- Ficar atento ao trânsito é crucial. Olhar por cima dos ombros e instalar um pequeno espelho retrovisor (item obrigatório) na bike ajudam a monitorar o que está acontecendo ao seu redor, além de pedalar sem fones de ouvido diminui bastante a chance de você se "desligar" ouvindo sua balada preferida e se envolver em algum acidente.

Confira as novidades da 11ª edição do Salão Duas Rodas

Um erro muito comum é ciclista atravessar pelas faixas de pedestres e passarelas pedalando, ou até mesmo trafegar pela calçada. Como qualquer condutor ou pedestre, o ciclista tem direitos e deveres. Se estiver montado na bike, deve-se respeitar as leis e sinalizações do trânsito, já o ciclista desmontado empurrando a bicicleta adquire os mesmos direitos e deveres dos pedestres.

Vou citar, portanto, as principais regras que devem ser observadas:

- Campainha, sinalização noturna (dianteira, traseira, lateral e nos pedais) e espelho retrovisor do lado esquerdo são itens de uso obrigatório;

- A bicicleta por ser apreendida se o ciclista andar em locais proibidos ou de forma agressiva.

- O motorista, ao ultrapassar o ciclista, deve manter uma distância de segurança de 1,5m. O descumprimento da lei é infração média (algumas pessoas colocam um tipo de bandeirinha ao lado esquerdo da bike, sinalizando a distância a ser tomada);

- O motorista deve reduzir a velocidade para que esta seja compatível com a segurança do trânsito local ao ultrapassar um ciclista, caso não faça vai estar cometendo uma infração grave.

Essas punições, porém, não devem iludir ninguém. Os fiscais de trânsito não têm a menor ideia de como lidar com ciclistas e nunca aplicaram uma multa a motoristas infratores, que são muitos, já que na autoescola ninguém recebe as instruções sobre como compartilhar o trânsito com as bicicletas.

Diante de tudo isso, que tal começar agora a deixar o carro em casa pelo menos alguns dias da semana? Quem mora em São Paulo, por exemplo, pode começar trocando o carro pela bike no dia do rodízio de seu veículo. Nas cidades onde não há o rodízio obrigatório, cada um pode criar o próprio rodízio (deixar o carro em casa uma ou duas vezes por semana, ou só usar o carro em dias de chuva...).

Se você já usa sua magrela como meio de transporte, deixe seu comentário e compartilhe seu conhecimento dando mais dicas para quem ainda está iniciando.

Leia também

Comentários

Comente

Comente como convidado.

Cancelar Enviando comentário...
x