Brasil já pensa em exportar sistema de vigilância da Amazônia
Ilustração: Jones
Sistema acusa quando ocorre desmatamento ilegal
Compartilhe

Brasil já pensa em exportar sistema de vigilância da Amazônia

Domingo, 24 Abril 2011 09:41
Caravana da Aventura | Das agências

Municípios do Pará mostraram que o sistema pode ser muito eficaz

O Brasil deseja exportar para outros países amazônicos um bem-sucedido programa para combater o desmatamento na Amazônia mediante alertas antecipados aos habitantes da região quando imagens de satélite acusarem a derrubada de árvores em algum setor da floresta.

A gerente do Fundo Vale, que financia programas de desenvolvimento sustentável na floresta amazônica, afirmou que estão estruturando este complexo projeto de vigilância para estendê-lo a outros países.

O sistema, desenvolvido pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), serve para alertar moradores e ativistas em municípios amazônicos sobre o desmatamento ilegal.

A Fundo Vale estuda agora com a Imazon como exportar o projeto. As negociações já estão em fase avançada, e algumas regiões ainda não reveladas de países vizinhos poderão adquirir o sistema em breve.

Após a identificação por análise de imagens via satélite da área atacada, a informação é utilizada para provocar uma intervenção pública. Para isso os responsáveis pela iniciativa oferecem cursos de capacitarão aos agentes comunitários, que verificam e validam as imagens de satélite e são responsáveis pela difusão das denúncias.

Essa difusão inclui desde denúncias diretas a prefeituras e órgãos fiscalizadores até o envio de mensagens de texto por telefones celulares para garantir a divulgação da denúncia e a mobilização das autoridades.

O sistema já se mostrou eficiente no Brasil. Ele é um dos responsáveis por Paragominas (Principal pólo madeireiro do Brasil), no Pará, ganhar o título de primeira cidade a ser retirada da lista das que mais destroem a Amazônia, depois de reduzir seu desmatamento em 90%.

Já em São Felix do Xingu, outro município do Pará, que conta com um dos maiores rebanhos bovinos do país (apesar de ficar no meio da floresta amazônica), o sistema também teve sucesso.

Leia também

Comentários

Comente

Comente como convidado.

Cancelar Enviando comentário...
x