Nível do oceano: adiar ou mudar?
Foto: Cláudio Sepulvida
O nível dos oceanos sobe de maneira preocupante
Nível do oceano: adiar ou mudar?
Foto: Divulgação
Os últimos seis anos foram os mais quentes no Ártico
Compartilhe

Nível do oceano: adiar ou mudar?

Quinta, 05 Maio 2011 14:06
Fábio Salgueiro | Do Caravana

O nível dos oceanos pode subir 1,6m até 2100, ultrapassando o último estudo que apontava uma alteração entre 18 e 59cm. E agora?

O nível dos oceanos preocupa os cientistas, que alertam para a sua subida muito rápida, o que pode fazer com que sumam literalmente do mapa pequenas ilhas, além de arruinar vastas extensões de terra utilizadas para plantações e aumentar a intensidade de vulcões ativos e outros eventos naturais extremos. Isso tudo é esperado para este século, porém os dados são uma projeção para 2100.

Então a pergunta que fica: por que eu devo me preocupar, não é mesmo?

O pensamento é pequeno, irresponsável e precisa ser refeito, afinal apesar do evento ser relativamente lento, ele deve trazer consequências devastadoras para as cidades costeiras, principalmente as densamente povoadas e de localização mais baixa como regiões do continente asiático, mais precisamente Bangladesh, Vietnã e China.

A perspectiva de futuro é uma hoje, porém já foi outra num passado recente. E no futuro, no próximo estudo, o que os números revelarão para a população mundial?

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU informou em seu último grande estudo, em 2007, que o nível dos mares eram susceptíveis de aumentar entre 18 e 59 cm até 2100. Hoje, o estudo mais recente prova que os oceanos podem subir cerca de 1,6m até a data estimada. Ou seja, a cada dia piora um pouco mais.

A explicação para tal mudança? O estudo apontou que nos últimos seis anos registrou-se o período mais quente já registrado no Ártico. Desta forma, a perda das geleiras e calotas polares do continente gelado e da camada de gelo da Groenlândia representarão uma contribuição substancial para a tragédia natural.

Em linhas gerais, deixando de lado a teoria e os estudos e seus dados estatísticos, fica claro que o planeta paga o preço pelo aquecimento global, que muitos já ouviram falar, porém não sabem ainda como ele se dá.

As autoridades falam sobre o assunto, porém com um certo ar de derrota. “É preocupante que a ciência mais recente indique uma elevação do nível do mar muito mais alta do que esperávamos", lamentou a Comissária do Clima da União europeia, Connie Hedegaard. "O estudo é mais uma evidência de como o combate às alterações climáticas se tornou urgente, embora esta urgência nem sempre fique evidente no debate público e no ritmo das negociações internacionais."

É fato que as emissões humanas de gases, principalmente a queima de combustíveis fósseis, sejam responsáveis pela maior parte do aquecimento global nas últimas décadas.

Por isso fica a pergunta: apesar dos números e das perspectivas pouco positivas quanto ao futuro do planeta é possível adiar um pouco mais uma mudança de postura? A resposta está com você.

Leia também

Comentários

Comente

Comente como convidado.

Cancelar Enviando comentário...
x