Dia do Cerrado - Vamos refletir?
Foto: Edu Carvalho
O Cerra já tem 57% de sua área destruída no país
Dia do Cerrado - Vamos refletir?
Foto: Pedro Cattony
Apenas 3% do cerrado brasileiro está sob proteção
Dia do Cerrado - Vamos refletir?
Foto: Lau2m
A Caatinga é outra importante bioma brasileiro
Dia do Cerrado - Vamos refletir?
Foto: Fernando Stankus
A Serra do Mar é considerada patrimônio nacional
Compartilhe

Dia do Cerrado - Vamos refletir?

Segunda, 12 Setembro 2011 10:57
Eduardo Bernardino | Do Caravana

No último domingo (11) comemorou-se o dia de um dos mais importantes biomas brasileiros e que está bem próximo de sumir do mapa

O Dia Nacional do Cerrado foi comemorado no domingo (dia 11). Para muito, trata-se de uma data sem importância, no entanto é um dia de grande valia para lembrar os brasileiros e os governantes que estamos perdendo um importantíssimo bioma do nosso país.

Originalmente o Cerrado compreendia dez estados brasileiros, com mais de dois milhões de quilômetros quadrados. Contudo, um estudo da organização privada, sem fins lucrativos, Conservação Internacional, mostra que após tantos anos de ação do homem e descaso do poder público, 57% do Cerrado já foi completamente destruído e metade da área que ainda resta está seriamente comprometida pela grande fragmentação.

Desta forma, na prática, apenas algo em torno de 20% de sua área original ainda pode servir para fins de conservação, sendo que apenas 3% está de fato sob proteção legal.

Números tão drásticos aparecem sempre de mãos dadas com o descaso quando o assunto é proteção do meio ambiente. À frente da destruição estão a extração ilegal de madeira, o plantio de árvores exóticas para produção de carvão e celulose, o avanço desenfreado da agropecuária (com áreas de baixíssima produtividade, que servem apenas para demarcar propriedades privadas), a permissão para desmatar 80% das propriedades rurais e, mais recentemente, a exploração irresponsável dos inúmeros rios em regiões de Cerrado para a instalação de hidrelétricas.

Saiba mais sobre a Caatinga, outro bioma brasileiro

Quando vemos aquelas árvores de troncos grossos e retorcidos, com pequenas folhas e raízes longas que insistem em adentrar o solo duro, o que vem imediatamente à cabeça de muita gente não é uma sensação de estar presenciando uma maravilha da natureza.

Porém este lugar ímpar se impõe ao exibir toda sua riqueza de plantas e animais, além de seus recursos hídricos tão importantes inclusive para a Mata Atlântica e Amazônia.

O Cerrado, juntamente com a Mata Atlântica, é uma das duas áreas brasileiras (entre 34 regiões no mundo) consideradas áreas prioritárias de conservação. Mas desde o início da política de expansão agrícola, que se deu na década de 50, o Governo Federal tem tratado este bioma apenas como uma fronteira agrícola a ser explorada à exaustão. Deste modo, dificilmente conseguiremos frear sua devastação.

O que diz a Lei

Segundo a Constituição Federal, apenas a Floresta Amazônica brasileira, a Mata Atlântica, a Serra do Mar, o Pantanal Mato-Grossense e a Zona Costeira são patrimônio nacional. O descaso a respeito de outros biomas pode ser percebido quando sabemos que, mesmo frente a tantos dados científicos, uma proposta de emenda constitucional que colocaria o Cerrado e a Caatinga nesta lista aguarda aprovação na Câmara desde 2006.

Perdemos em torno de 1,5% do Cerrado todos os anos, só para se ter uma ideia do tamanho da irresponsabilidade. Isso0 corresponde a cerca de 2,6 campos de futebol por minuto. Junto, estão sendo destruídas muitas espécies endêmicas (aquelas que só existem em determinada região) e outras tantas ainda desconhecidas.

Por este tantos motivos é que hoje se comemora - se é que há motivo pra comemorar - o Dia do Cerrado. É mais um dia pra lembrar que temos uma das melhores legislações ambientais do mundo e precisamos fazer com que ela seja cumprida.

Para finalizar, segue um trecho da Constituição Federal que trata do meio ambiente: o artigo 255 diz que “todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações”, e seu parágrafo primeiro deixa claro que “Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao poder público: proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais a crueldade”.

Agora uma pergunta: E o que temos feito para garantir nossos direitos e os das gerações futuras? Vamos refletir!

Leia também

Comentários

Comente

Comente como convidado.

Cancelar Enviando comentário...
x